Filha da Floresta – Juliet Marillier

Tainara e Nicolas, sei que vocês estavam preocupados que eu não fosse gostar do presente, mas não poderiam ter escolhido algo melhor. Obrigada mesmo por me apresentar a esse livro! Com toda certeza estará listado nas melhores leituras do ano.

DSC_0244

Sorcha é a única menina na família, e conta com o amor incondicional dos seis irmãos, uma vez que sua mãe morreu ao lhe dar a luz, e o pai jamais superou a morte da amada. No entanto sua vida de inocência e alegrias chega ao fim quando o pai conhece uma mulher e resolve casar-se com ela. Uma mulher maligna, que “enfeitiça” o pai da menina, faz das crianças seus piores inimigos, e faz de tudo para se livrar delas. Ao conseguir, Sorcha é a única que escapa da maldição, mas guiada pelos mágicos seres da floresta e pelo amor que sente pelos irmãos, ela embarca numa missão para salvá-los.

Ao ler a sinopse na contra capa, imediatamente lembrei de uma história que li/ouvi quando criança – Os Cisnes Selvagens, que tem basicamente o mesmo enredo – e tive a maior surpresa do mundo ao abrir o livro e me deparar com uma nota da autora dizendo que se inspirou nesse conto dos Irmãos Grimm (o interessante é que essa história já foi publicada com outro título, Os Seis Cisnes). Só com isso já fiquei maravilhada, pois Os Cisnes Selvagens era um dos meus livrinhos favoritos!

Sempre fui apaixonada por histórias que envolvessem magia, misticismo, e realidades diferentes da minha, e isso Filha da Floresta tem de sobra. A história é toda ambientada numa Irlanda medieval, e insere muito da mitologia céltica, como a magia sendo uma força da natureza, além de ser um perfeito conto de fadas: uma árdua missão, uma madrasta malvada (mais do que malvada nesse caso!), um romance, e os elementos sobrenaturais.

A protagonista é uma menina extremamente forte, e carrega um fardo difícil de suportar, mas realiza sua tarefa com maestria. A autora criou uma personagem muito intensa, e talvez pela narrativa ser feita em primeira pessoa, também conseguiu transmitir todos os seus sentimentos, fossem eles bons ou ruins. Algumas cenas são angustiantes, outras chocantes, e outras poucas dão aquela sensação de alívio, e ler o que Sorcha sentia foi como viver em seu corpo e experimentar as mesmas sensações que ela. Poucos são os autores que conseguem envolver o leitor desse modo, e Juliet Marillier realizou o feito com perfeição.

Não há como escrever uma resenha sobre o livro sem mencionar seus irmãos. Cada um possui uma característica única, mas ao mesmo tempo são todos muito parecidos entre si. As cenas de seu convívio mostram as pequenas brigas e provocações entre eles são extremamente reais – quem tem irmãos sabe como funciona – mas o amor incondicional que mostram um para com o outro é incomparável.

Outro aspecto do livro que muito me agradou foi o fato de os personagens apresentarem defeitos e qualidades absolutamente reais, apesar de todo o misticismo que permeia a história. A dualidade bem versus mal está muito presente, não só com os personagens “bonzinhos” e os “malvados”… Uma frase bastante presente no livro que exemplifica o que estou tentando dizer é “bem é mal são apenas dois lados da mesma moeda”. Ela também mostrou que mesmo as pessoas que Sorcha mais amava eram capazes de ferir alguém, e aquelas que pensava que eram seus inimigos estenderam a mão em seu auxílio.

Falando em inimigos, vamos aos grandes vilões dessa história. Duas criaturas detestáveis. Acredito que nunca odiei tanto os vilões de um livro quanto os de Filha da Floresta. Menciono novamente a narrativa em primeira pessoa nesse caso… A protagonista passa o ódio que sente através da narrativa, e a autora não economizou criatividade para descrevê-los.

O romance foi uma pitada de tempero essencial para que o livro não se tornasse um completo drama sobre o sofrimento e as provações que Sorcha teve que enfrentar, e claro, foi muitíssimo bem escrito e evoluído. Não é algo que começa de uma hora para outra, e sim uma faísca que de transforma em fogueira com o passar do tempo.

DSC_0248“(…) Seres como ela sempre irão dizer que não existe luz ou escuridão, apenas sombras. Que todo caminho pode ser certo ou errado e que bem e mal são apenas dois lados da mesma moeda. Cabe a você acreditar ou não. Talvez ela esteja dizendo a verdade e eu esteja mentindo. Cabe a você decidir e escolher seu caminho. Tem que escolher agora. (…)”

Por fim, fechei o livro com vontade de recomeçar a lê-lo. Filha da Floresta é mais do que uma história de fantasia: é uma história sobre sofrimento, dificuldades, e recompensas que vem para aqueles que lutam por elas.

Anúncios

Um comentário sobre “Filha da Floresta – Juliet Marillier

  1. Pingback: Resumo de março/2014 | da Carneiro

Deixe aqui um comentário e faça uma pessoa feliz! :)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s